Cursos livres: Saiba tudo sobre a regulamentação

Cursos livres: Saiba tudo sobre a regulamentação

Nós vivemos em uma época em que não é mais suficiente cursar apenas os anos de educação formal (escola e universidade). Profissionais de todas as áreas buscam outros aprendizados ao longo da vida e é frequente a procura por cursos livres à distância.

Ao oferecer conhecimentos de um jeito dinâmico, esses cursos conquistam cada vez mais a preferência de milhares de pessoas. Mas é comum surgir uma dúvida: existe regulamentação para esse tipo de ensino?

A resposta é não. Os cursos livres não são regulamentados por nenhuma legislação específica e não são fiscalizados pelas Secretarias de Educação ou pelo Ministério da Educação.

De acordo com o Procon SP, o que estabelece a relação entre os prestadores de serviços e os alunos são os contratos, documentos que devem ter informações sobre os programas oferecidos pelos cursos, a quantidade de módulos, o número e a duração das aulas, prazos, material usado durante o aprendizado e oferta de certificado.

A ausência de regulamentação torna os cursos livres uma das opções mais viáveis para negócios atualmente, pois eles não dependem de autorizações oficiais e escapam da pesada burocracia brasileira. No entanto, é importante que os responsáveis pelas aulas saibam que, mesmo sem regras específicas, todos só têm a ganhar ao oferecer garantias e segurança aos alunos.

Cursos livres: o que são?

Para que não fiquem dúvidas, é importante iniciar as explicações desde o princípio, com a definição do que são cursos livres à distância. 

Trata-se de uma modalidade de educação não-formal, com tempo variado de duração e voltada a pessoas interessadas em aperfeiçoamento, profissionalização, qualificação e ampliação de conhecimentos.

Em geral, oferecem carga horária pouco extensa e abordam assuntos específicos, ensinados por especialistas nos temas oferecidos nas aulas.

É grande a diversidade dos cursos livres: eles vão desde o corte e costura até as aulas preparatórias para concursos públicos e vestibulares. Há cursos livres nas áreas de idiomas, turismo, informática e vendas, por exemplo. 

Eles abrangem muitos segmentos e em muitos casos são considerados profissionalizantes.

No entanto, ao contrário dos cursos técnicos, não são regulamentados, como já foi dito. Mas isso não significa a ausência total de legislação sobre o tema. Siga acompanhando esse artigo para saber mais sobre o assunto.

Saiba mais sobre a legislação!

A Lei nº. 9394, de 1996; o Decreto nº. 5.154, de 2004; e a Deliberação CEE 14/97 estabelecem a validade dos cursos livres em todo o território nacional, mesmo sem a regulamentação pelo Ministério da Educação. Ou seja, são cursos perfeitamente legais.

As diretrizes criadas fazem com que essa modalidade de ensino seja a mais democrática de todas: ela pode ser oferecida de forma livre e em função das necessidades do mundo do trabalho e da sociedade.

Além disso, não há a obrigação de exigir escolaridade mínima como requisito para a matrícula. Nos cursos abertos à comunidade, a exigência pode ser a capacidade de aproveitamento e não necessariamente o nível de ensino.

O funcionamento livre da regulamentação de um órgão superior proporciona mais liberdade aos responsáveis pelos cursos livres, o que explica a grande variedade de temas e formatos encontrados no mercado e também o fato dessa modalidade de ensino fazer tanto sucesso.

Hoje em dia os cursos livres são, sem dúvida, excelentes oportunidades para os interessados em formação e qualificação para o mercado de trabalho e para a vida em uma sociedade em que o aprendizado é valorizado.

Sabendo que os cursos livres são legais e atraem cada vez mais pessoas, agora é hora de entender melhor como aproveitar seus conhecimentos para entrar nesse promissor mercado.

O que fazer para montar um curso livre à distância?

O avanço da tecnologia faz com que a educação digital seja hoje uma realidade consolidada. E, nesse cenário, empreender usando as vantagens e facilidades da internet é o sonho de muita gente. Quem não quer ser dono do próprio tempo, trabalhar com prazer e ganhar dinheiro?

Plataformas online como o Maestrus ajudam a criar, vender e gerenciar cursos online por meio de modelos de negócios completos, facilitando muito a vida de quem quer entrar nessa área.

Veja aqui algumas perguntas e respostas para esclarecer dúvidas dos interessados:

1. Como começar?

O primeiro passo é a criação de um site EAD, o que plataformas como o Maestrus oferecem aos interessados. O site é fundamental para divulgar a empresa, conquistar contatos e clientes. Outra dica importante é a criação de um blog com oferta de conteúdo sobre o tema e integrado ao site. Os blogs são importantes para atrair público segmentado para o site. É uma ferramenta central para a estratégia de marketing digital. 

2. O que são iscas digitais?

São ofertas de conteúdos gratuitos, considerados estratégicos para captar leads, ou seja, contatos que podem se transformar em clientes em um breve futuro. Alguns exemplos de “iscas” são os infográficos e os ebooks.

Veja mais informações de como captar leads em nosso artigo: https://blog.maestrus.com/captar-leads/

3. Por que a divulgação é importante?

A concorrência é grande e é preciso ser “achado” pelo público em potencial de seus cursos. Por isso é fundamental utilizar a divulgação em redes sociais, muitas vezes com investimentos para que seu curso chegue mais longe e atraia mais público.

4. É fácil vender um curso online?

Essa não é uma pergunta simples de responder, pois depende do perfil de cada um, do curso oferecido, do público alvo, etc. O melhor caminho é procurar uma assessoria especializada para montar o e-commerce e conquistar espaço. Dessa forma, as técnicas de venda serão pensadas e aplicadas caso a caso, o que facilitará a estruturação do negócio.

Então vale a pena vender Cursos Livres?

Os cursos livres não têm esse nome à toa: podem funcionar sem autorização superior, não são fiscalizados pelo Ministério da Educação ou secretarias e possuem muita liberdade para definição de conteúdo e carga horária. Em um país ainda tão carente nas áreas de formação e profissionalização, são uma oportunidade para quem busca mais conhecimento e novas colocações no mercado de trabalho.

Estar preparado para oferecer esse tipo de curso requer algumas características, como dominar um assunto, entender o público alvo, planejar as aulas e estar ligado a uma plataforma de vendas eficiente. 

Auto-aprendizado: a competência essencial para o sucesso na EAD

Auto-aprendizado: a competência essencial para o sucesso na EAD

Vamos começar esse post com um grande mito:

Só agora, na pandemia do COVID-19, o aluno estuda sozinho em casa?

A competência que sempre existiu

Antigamente, os seres humanos descobriam as coisas apenas por imitação, ou seja, os mais novos imitavam o que os mais velhos faziam.

Aos poucos os adultos também começaram a passar conhecimento para outros adultos.

Há 25 séculos, Sócrates foi professor de Platão. Porém, Sócrates não ensinava em uma escola, ensinava em locais públicos, como praças e ginásios.

Sabemos que a profissão de professor é uma das mais antigas que temos conhecimento, contudo, apenas no decorrer do século XIX e XX é que o ensino passou a ser obrigatório na maioria dos países.

Por isso é comum ouvir histórias… que nossos avôs e bisavôs foram totalmente autodidatas.

Leonardo da Vinci tem muito o que nos ensinar sobre isso, separamos um texto escrito por Isaacson, em seu livro:

“Leonardo quase não frequentara a escola e mal sabia ler em latim ou fazer uma conta de divisão. Sua genialidade era do tipo que somos capazes de entender, do tipo que tiramos lições. Baseava-se em habilidades que podemos almejar desenvolver, como a curiosidade e a observação incansável.”

Leonardo da Vinci

A competência essencial na EAD

Voltando ao “mito”. O fato é que, assim como nossos antepassados estudavam sozinhos, o desafio também continua atualmente desde criança, ao fazer o “dever de casa”.

Heloísa Padilha, mestre em Educação pela PUC-Rio, nos apresenta a competência essencial para a EAD:

Saber estudar sozinho deveria ser uma competência que todo educador deveria saber desenvolver no seu aluno.”

Heloísa Padilha

Assuma a responsabilidade de sucesso do seu Aluno

Não adianta “largar” um conteúdo nas mãos do seu aluno, se ele não tiver preparado para o auto-aprendizado.

Será que o professor é o único responsável pela aprendizagem na EAD? Qual a sua opinião em relação a isso? Adoraríamos receber o seu comentário.

No próximo post continuaremos esse tema, falando mais sobre as competências dos profissionais para um ensino de qualidade na EAD, não deixe de conferir.

EAD, mercado que surpreende

EAD, mercado que surpreende

Sabe aqueles cursos por correspondência antigos, que talvez sua avó já tenha feito?

Pois é!

Podemos dizer que esse formato foi como o pioneiro do EAD no Brasil.

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, fez uma pesquisa onde sugere que até mesmo antes de 1900 no Rio de Janeiro, já era possível ver propagandas de cursos profissionalizantes por correspondência. 

                                                                 

(Propaganda de um curso na década de 1940)

Ganhando popularidade nas rádios, foi também aumentando seu alcance nos anos 40. Nos anos 80, trouxe uma movimentação intensa na área.

Ao passar dos anos, com todos os avanços, hoje o EAD continua em franca expansão no Brasil, sendo extremamente vasta as possibilidades de nichos para se investir.

De acordo com o Censo da Educação Superior, divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a Educação a distância cresceu 17,6% em 2017; maior salto desde 2008.

Estima-se um crescimento notável para as os resultados das pesquisas em 2018.

Então, temos dados que mostram que é um mercado que realmente ganhou espaço e cresce exponencialmente a cada ano.

Nos cursos de EAD, mesmo o público sendo bastante diverso, a realidade no geral, é que são pessoas que buscam se capacitar de alguma forma, buscam de um jeito mais personalizado, o que de fato desejam aprender.

Isso, de maneira mais econômica, flexível e cômoda.

Existem alguns fatores que influenciaram diretamente nesse crescimento, que foi a diminuição da desconfiança.

Antes, era fortemente defendido que cursos a distância não tem a mesma qualidade, ou que seus diplomas e certificados tem menos importância.

Só que isso é um grande equívoco, e hoje já não se fala mais nisso, pelo contrário, tem-se grandes nomes no meio e extensos fatos que afirmam sua posição de qualidade no mercado.

O fator “economia”, ainda mais aqui no Brasil, é um grande diferencial.

Se puser na balança, uma mensalidade de um curso a distância pode ser até 60% mais econômica que o mesmo curso presencial.

Afinal, todos os gastos feitos tem de entrar na conta.
Seja ele financeiro ou físico…
Se for pegar transporte, gastar gasolina, comer na rua. Pegar horas de trânsito, ou algum outro acontecimento, como uma tempestade, nada disso entra na lista do EAD.


E o fator tempo?


O EAD te possibilita flexibilidade. Poder fazer seus próprios horários, na comodidade da sua casa, enquanto aproveita uma pausa do trabalho. Isso agrega muito ao funcionamento e produtividade do dia-a-dia.

E essas 2 listas acima, aplicam-se tanto ao aluno, como ao infoprodutor.

E falando nisso…

Mercado EAD, esse tão vasto e vantajoso universo empreendedor.

Falamos sobre quem busca os cursos, que são parte expressiva nesses números do CENSO sobre o Mercado EAD, mas parte deles se deve ao INFOPRODUTOR.

Juntamente com o crescimento de adeptos do EAD, vem a grande quantidade de cursos disponíveis, e encontra-se mais e mais nichos para investir e lançar novos infoprodutos.

Sim, uma grande oportunidade para o pequeno produtor de conteúdo, educadores, quem já tenha familiaridade com o meio.

E claro que não apenas para eles!

Quem tem bastante conhecimento sobre um assunto,  deseja investir nesse mercado tão lucrativo, é só buscar o caminho, informe-se.

Pode ser qualquer área.
Busque se atualizar e se informar sobre o nicho que deseja, e prepare-se para começar a preparar seu curso.

Você infoprodutor, que deseja empreender no mercado da educação a distância, tem razora mde sobra para trilhar seu caminho com orgulho.

Veja, ao mesmo tempo, você alcança o seu objetivo em ser bem sucedido, e vai auxiliando pessoas a alcançarem os delas!

Hoje, o mercado EAD, aponta dados que definem bem para quem deseja embarcar nele, que é um momento excelente para isso.

Sendo ele, um mercado tão diverso, existem diferentes maneiras de se tornar profissional da área.

Quem já é do ramo dos educadores, tem mais facilidade em empreender com EAD, mas não quer dizer que seja algo assim, tão simples.

Estar acostumado a aulas  presenciais, não quer dizer estar totalmente pronto para produzir seu conteúdo online.

O processo é diferente na educação online, e é preciso manter isso em mente durante todo o processo.

A objetividade é um forte fator que diferencia um do outro.
Você precisa se atualizar, e na hora de gravar.

Sempre ter seus conteúdos bem estruturados, objetivos, focados e direto ao assunto que estiver abordando.

O tempo de aula também muda.

Com o ideal de aulas de 30 a 20 min, ou menos, com divisões por temas, vai na contramão da presencial, que em média, são 50 min.

Enfim, são só alguns detalhes que mostram a diferença da vídeo-aula para a aula presencial, para quem já é do ramo.

Mas se o caso e outro, e você esteja começando agora, ainda buscando trabalhar usando alguma expertise sua, dando seus primeiros passos… 

O Foco é o mesmo, no geral.

Se atualizar, conhecer seu público, produzir um conteúdo que traga algo que agregue ao seu nicho.

Tenha um diferencial.

Como um mercado vasto, a concorrência não poderia ser diferente.

A hora de empreender e lançar aquele curso que você tanto planeja, é agora, o mercado está mais quente que nunca.

Prepare-se para o sucesso e boas aulas!

Como transformar um curso presencial em um curso online

Como transformar um curso presencial em um curso online

Você alguma vez já fez um curso online? Eu já! Mais de 1, na verdade. Aliás, os 4 ou 5 cursos que já fiz online eram oferecidos na mesma plataforma e pela mesma instituição.

Apesar disso, desses 4 ou 5 cursos, eu gostei mesmo apenas de 1 curso específico e, sim, eu terminei todos eles, porém não recomendaria nem metade destes cursos para meus amigos.

Você deve estar pensando que eu sou muito difícil de agradar ou sou muito exigente, o que tem um certo fundo de verdade.

Mas qual cliente não é assim, ainda mais quando o que está em jogo é o tempo dele?!

E é exatamente isso que você tem que ter em mente quando vai transformar o seu curso presencial em um curso online.

O aluno que quer fazer um curso online ao invés de um curso presencial, além de ter várias necessidades diferentes de um aluno presencial, ele tende a ser mais exigente, principalmente por não ter tanto tempo livre para se dedicar aos estudos.

Meu curso é para quem ?

Já te dei a dica de que o aluno de um curso EAD não tem muito tempo disponível, baseado nisso, vamos pensar quem é o seu aluno.

Que tipo de trabalho ele tem? Qual mais ou menos a idade dele? Você sabe o nível educacional dele?

Se você não consegue responder essas questões com facilidade, você provavelmente não tem ideia de quem poderia comprar o seu curso e isso é um problema!

Então tente responder sinceramente… Qual o principal problema o seu curso se propõe a resolver na vida do aluno?

Se você consegue responder isso, a partir daí você vai conseguir responder quem seria o seu aluno ideal.

“Tá, mas o que isso tem a ver para transformar meu curso em um curso online?! “…

você deve estar se perguntando. A resposta mais simples é porque você tem que ter uma noção de quem é o seu público, já que diferente de um curso presencial, você não irá conhecê-lo pessoalmente.

Seu curso não pode ser chato, essa é a regra!

Você descobriu quem é o seu aluno em potencial para um curso online, então agora você tem uma ideia qual o tipo de conteúdo ele consome, quais são os gostos dele, como ele se relaciona com o mundo.

Okay, parece algo muito profundo não é mesmo?! Mas na real ter esse tipo de informação te ajuda a planejar o seu conteúdo e fazer com que ele não seja CHATO para o seu aluno.

Esses dias ouvi em uma palestra que no conteúdo online você sempre deve pensar que na aba ao lado está aquele youtuber famoso, que é muito mais interessante que você.

E em cursos online isso não é diferente.

Você estará sempre competindo com as redes sociais, com textos sobre a vida e o universo do seu aluno e com o inimigo número 1 do conteúdo digital… o YOUTUBE!

Pense num conteúdo que seja variado, cativante e, principalmente, que prenda a atenção do seu aluno pelo máximo de tempo possível.

Diferente da sala de aula tradicional, no curso EAD você tem menos chances de realmente trazer o aluno para o seu lado, aqui a primeira impressão é a que faz o seu aluno ficar com você.

O poder da experiência (não seja mais do mesmo)

As novas gerações buscam acima de tudo a experiência com o seu produto/serviço e em 2018 absolutamente tudo é a respeito disso.

Só pensar no seu banco ou quando você compra um sapato online, o que vai te marcar quando interagir com essas empresas, será a forma que irão te tratar e como você irá se sentir a respeito delas, ou seja, A EXPERIÊNCIA.

E como proporcionar uma experiência incrível para o aluno que está fazendo o seu curso?!

Voltando um pouquinho no texto, lembre do Youtube… youtubers sabem fazer isso muito bem!

Separa um tempinho do seu dia e vai pro Youtube apenas para pesquisar, coloca na busca uma palavra ou um termo de busca, algo que tenha curiosidade em saber.

Tenho certeza que você vai se perder por lá e vai até esquecer de voltar aqui para terminar o texto. E é exatamente essa a experiência que você quer proporcionar ao seu aluno.

Crie uma comunidade para os seus alunos

Diferente do curso presencial, o seu aluno virtual não terá o mesmo nível e constância de interação tanto uns com os outros quanto com o professor do curso.

Lembra que contei dos cursos online que já fiz? O curso que mais gostei foi um que, além do grupo do facebook que já é padrão da plataforma, a professora disponibilizou as redes pessoais dela para os alunos.

O resultado disso é que, após concluir o meu curso, pude dar um feedback sincero sobre o que achei do curso, diretamente para a professora e também tirar alguma dúvida que me surgiu durante o curso.

Pensando que todos os cursos online que fiz foram na mesma plataforma e com a mesma estrutura, o que diferenciou esse curso dos outros, foi principalmente a postura da professora, indo além da estrutura que ela possuía para o curso. Ela pensou e agiu fora da caixa.

Outra forma legal de fazer isso é usar aulas ao vivo ou LIVES  para se comunicar com os seus alunos.

Seja para tirar dúvidas, comentar questões de uma prova ou fazer um resumão do conteúdo, uma aula ao vivo vai te ajudar a criar uma verdadeira conexão e interatividade com os seus alunos.

E apesar de a maioria das plataformas não terem essa ferramenta de forma nativa, no próprio Youtube é possível fazer isso, é bem simples.

Mais algumas dicas práticas:

  • Faça vídeos curtos de cada assunto, o ideal é entre 10 e 15 minutos, no máximo 20 minutinhos de vídeo-aula.
  • Diversifique o seu conteúdo com textos, imagens, vídeos, quizzes e por aí vai.
  • Se o seu curso não tem AQUELE acompanhamento com tutor e/ou professor e é mais self-service, deixe que o aluno decida quando, onde e em quanto tempo ele quer fazer o seu curso. Não seja limitante!
  • Interaja com o seu aluno sempre e de formas diferentes, você pode fazer isso com um chat para tirar dúvidas, grupos no whatsapp ou facebook.
  • Aprenda com os youtubers, crie conteúdos interativos, criativos e cativantes.
  • Seu aluno precisa sentir que faz parte de uma comunidade para que ele fique engajado com o seu curso.
  • Tenha um preço justo e atrativo, seu aluno também precisa economizar dinheiro não apenas tempo!
Para que serve uma mentoria?

Para que serve uma mentoria?

Recentemente lançamos no Maestrus, uma mentoria para te ajudar a vender mais cursos e ter sucesso com o seu EAD. Mas você sabe o que é mentoria?

Segundo a Sociedade Brasileira de Coaching (SBCoaching),

A Mentoria – também chamada de mentoring – é uma atividade exclusivamente exercida por um profissional experiente em sua área de atuação. Se você acabou de assumir o cargo de diretor de marketing em uma nova empresa, por exemplo, e está inseguro em relação a desafios específicos, pode contratar um mentor com ampla bagagem em marketing para te dar conselhos que iluminarão o seu caminho. Esse profissional, um tipo de “tutor”, irá compartilhar com você conhecimentos e experiências para estimular o seu desenvolvimento nessa sua nova jornada. “

Okay, parece algo bem simples, não é mesmo?! Mas e na prática? Como funciona isso?

Na prática, a mentoria é uma ajuda que vai te guiar para o seu desenvolvimento pessoal ou profissional e irá te facilitar para que alcance seus objetivos. 

Para isso, o mentor vai conversar bastante com você, seja individualmente ou em grupo, para extrair qual é o seu propósito, o seu objetivo ou a sua meta.

Depois disso, você e o seu mentor vão traçar um plano de ação, que será o norte para juntos alcançarem esse objetivo.

O plano de ação é como um passo-a-passo que vai te guiar em suas decisões e a pensar seu negócio mais objetivamente.

O mentor é como um professor e, apesar ter um ser muito importante na fase inicial do seu negócio, tenha em mente que o mentor só vai te ajudar a alcançar seu objetivo.

Ele vai te ajudar te incentivando, dando insights valiosos baseado na experiência dele e traçando um plano de ação com você.

O objetivo máximo da mentoria é aprimorar você ou sua carreira e ajudar no seu desenvolvimento para que tenha habilidades de lidar com o seu negócio de maneira mais profissional.

Lembre-se: O mentor é aquele que vai te ajudar te guiando nesse caminho, ele não deve ser responsável por você o tempo todo!

Você sabia que temos uma consultoria EAD? 

No Maestrus nossa mentoria funciona à distância, por isso qualquer pessoa pode participar, basta ser nosso cliente! 

Aliás, o Maestrus é pioneiro nesta ação de mentoria online totalmente focada para EAD.

Nosso objetivo maior é incentivar nossos clientes a crescerem cada vez mais e alcançar lugares nunca imaginados.

Acreditamos que o sucesso do nosso cliente é o nosso sucesso, por isso criamos um grupo secreto no whatsapp, além de oferecermos lives para os clientes interessados em crescer com a gente.

7 mitos sobre criar o seu EAD

7 mitos sobre criar o seu EAD

A maioria dos produtores de conteúdo e professores tem dificuldade com o uso da tecnologia para publicar seu conteúdo online, seja em criar um blog, site ou mesmo uma plataforma EAD para os seus alunos.

Apesar disso, ter um EAD não é tão complicado assim, desde que você escolha a plataforma certa, sua principal missão será oferecer um bom conteúdo para o seu aluno.

Eu sei que começar algo novo pode causar esse medo, e por isso que vou te contar nesse post alguns mitos sobre criar o seu EAD (que todo mundo jura que é verdade).

Dedico o post de hoje à essas pessoas que ainda estão com medo e dificuldade em criar o seu EAD, vamos desmistificar esses 7 mitos sobre ter o seu EAD.

1. Eu preciso possuir equipamento profissional para fazer meus vídeos

(mais…)